GRADE DE HORÁRIOS

DSC_8289_edited_edited.png

DANÇAS INDIVIDUAIS

As aulas  deste núcleo convidam os participantes a se expressarem através dos passos básicos, do improviso e de coreografias.

CONTEMPORÂNEO (Prof. Karina Collaço)

As aulas de dança contemporânea/contemporâneo não necessariamente se definem apenas em técnicas ou movimentos específicos. Alune recebe a autonomia para construir suas próprias partituras de movimento a partir da pesquisa de movimento desenvolvida e estudada durante as aulas. Improvisação, contato-improvisação, alongamento, fortalecimento do corpo, técnica de release, técnica de chão, composição e construção coreográfica tanto des alunes quanto da professora fazem parte da metodologia usada durante as aulas. Todos esses métodos apresentam ferramentas para que a pessoa possa desenvolver suas composições a partir de estímulos dados pela professora e da própria consciência que cada um já possui, seja de vivências externas ou da própria aula. Assim, surge a possibilidade da pessoa ser um compositor/criador como também um estudante de composições coreográficas.

FUNK (Prof. Thais Vieira)

A aula de Urban Funk trabalha com bases, técnica, consciência corporal, musicalidade e sequências coreográficas, misturando a vivência das danças urbanas com o funk carioca que está super em alta. É uma aula para resgatar a auto estima e a segurança em se movimentar, além de quebrar diversos tabus. A aula mistura muito funk, rebolado com grande influência do Hip Hop.

POPPING (Prof. Vinicius Niu)

Popping é uma dança que teve origem no estado da Califórnia nos EUA em meados dos anos de 1970 e desde então tem ganhado o mundo e influenciado diversas outras danças. Sua maior característica é a representação da intensidade das batidas da música através da contração muscular, geralmente embalado pelo ritmo do Electro Funk. Na aula de popping, além do aluno conhecer os fundamentos desta dança, são praticados diversos exercícios para o desenvolvimento da sensibilidade muscular e articular, qualidade que consideramos essencial para todas danças urbanas.

BREAKING (Prof. Vinicius Niu)

Breaking é uma dança Nova Iorquina que surgiu no final dos anos 70 como um dos quatro elementos da cultura Hip Hop. Na aula de breaking trazemos estudos e práticas para que o aluno desenvolva sua dança e conheça as técnicas por trás dos 4 elementos do breaking: Top Rock, dança de pé com muita energia e agilidade que recebe influências da salsa, charlleston e lindy hop; Footwork que é dançado agachado, normalmente com quatro apoios no chão inspirada em movimentos da dança russa, africana e artes marciais como o kung fu; Freezes, pausas e poses em viradas da música, normalmente trazendo algum elemento de equilíbrio nas mãos; Power Moves que são movimentos de explosão muscular que marcaram visualmente o breaking, como o moinho de vento e o giro de cabeça.

HIP HOP FREESTYLE (Prof. Carlos Calê)

Trabalha com ferramentas dentro do repertório da dança Hip Hop que acreditamos ajudar a pessoas a se expressar em forma de movimento, tudo dentro da linha de danças urbanas. Trabalha grande parte em dinâmicas que envolvem conexão, ressignificação, e autoconhecimento também. A prioridade é ser feliz, conseguir trocar energia com as pessoas e, deixar o medo e as inseguranças de lado para poder dançar sem medo dentro e fora de sala!

URBAN SALSA (Prof. Gui Rocha)

A Urban Salsa é pesquisa desenvolvida pelo prof Gui Rocha em parceria com a Mutama. Ela é um resgate do viés latino dentro das danças urbanas e populares. É uma modalidade individual, que tem a Salsa como estilo principal e mais vertentes das danças latinas, como Bachata, Chá-cháchá, Pachanga, Afro Cubano e Rumba. A energia é sua característica e a aula é de moderada a intensa.

HOUSE (Prof Bi Vieira)

House Dance,  estilo de dança inserido dentro do universo das danças urbanas no final dos anos 70, início dos 80. Esta modalidade surgiu há um pouco mais de 40 anos atrás, nos clubes “underground” de Chicago e Nova York. E virou febre e tendência por ser uma dança alegre, divertida e cheia de personalidade. Foi logo depois da moda “Disco” que os DJs destes clubes começaram a mixar as batidos “Disco”, com sons eletrônicos, breaks, afrobeats e sons latinos e assim, reinventaram o que viria se chamar “House Music”. Destas trocas entre pessoas de diferentes etnias e culturas o House Dance surgiu, sem dono, se tornando uma dança comunitária que possui movimentos da salsa, sapateado, hip hop e até da capoeira. Mais do que seguir coreografias, nesta modalidade a liberdade de expressão, o estilo pessoal e a conexão com a batida da música é o caminho do sucesso. Neste estilo, a batida dita o movimento, a energia da música contagia a alma que dança.

LITE FEET (Prof Carlos Calê)

Lite Feet é uma modalidade de dança com referência nas Danças Urbanas, que emergiu em bairros como Harlem e Bronx, em Nova York, nos anos 2000. Esse movimento é visto como uma nova cultura dos B-boys e do Breaking e foi assumida como um símbolo da cena musical urbana do Harlem.

VOGUE (Prof Will Mario)

Vogue é uma dança moderna altamente estilizada que se caracteriza por posições típicas de modelos com movimentos corporais definidos por linhas e poses. Originalmente popularizada na década de 1980 graças as festas chamadas Ballrooms ou Balls e clubes gays do centro dos Estados Unidos, ganhou fama quando foi apresentada pela cantora Madonna em 1990 em canção de mesmo nome. Também graças ao documentário Paris Is Burning (Que ganhou o Prêmio do Júri no festival de Sundance em 1991).